Published on

Metaverso: o que uma rede social pode mudar em nossas vidas?

Authors
  • avatar
    Name
    João Henrique
t

Toda década algum visionário dono de grandes empresas e fortunas busca algo novo para desafiar a si mesmo e estampar seu rosto nos livros de história do futuro. Uns preferem carros que dirigem sozinhos, ou até mesmo excursões de pessoas para outros planetas. Outros preferem apenas manter seus projetos um pouco mais sigilosos, no entanto, que ampliam sua fortuna. O interessante ponto em comum é que em todos os casos há o risco. O risco de ser o primeiro, de criar e possivelmente não dar certo. Ser pioneiro na maioria das vezes não é um trabalho fácil.

Dessa vez, o pioneirismo vem de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, que mesmo após grandes escandalos, buscou se reinventar além do que a concorrência - que ele mesmo comprou - pudesse imaginar. Deixar o nome e tradição do Facebook para trás, dando lugar a algo totalmente novo: um metaverso. Para alguns, não passa de algo que certamente dará errado, para outros, é marco de uma grande época de revolução virtual. Independente do resultado, uma coisa é certa: o meta de Mark delimita a importância e o poder das redes blockchains, criptomoedas, tokens e a digitalização de toda nossa produção mercantil e cultural. Mas como isso muda a sua vida?

Chega a ser um clichê de filmes de ficcção científica da década de 90, mas a tempos especulamos sobre uma vida dentro de uma realidade virtual. Embora quase sempre com um tom aterrorizante, a ideia da "Matrix" é quase senso comum para nossa sociedade. Agora, o metaverso não é mais um termo limitado aos filmes e livros, muito menos ao nosso imaginário coletivo. Seguindo a tendência de muitas criações, após sua idealização em um filme ou teoria de ficção, tiveram seu nascimento e consolidação. Foi assim com os smartphones ou até mesmo as nuvens para armazenamento de dados.

Dessa vez, não foi um filme o grande pioneiro da ideia. O termo foi cunhado pela primeira vez no livro de ficção científica escrito por Neal Stephenson em 1992 chamado “Snow Crash”, onde dois entregadores de pizza viajam pelo metaverso para se salvar de uma distopia capitalista. Desde então, metaverso compreende um espaço virtual compartilhado, covergindo a internet e a realidade fisica, virtualmente aprimorada. O metaverso de Mark abre as portas para um grande festival virtual, onde podemos nos locomover, interagir, criar e viver, de forma digital.

WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.32.44.jpeg

Junto da nossa vida recreativa, obviamente nossas tendências financeiras não ficam de fora. E é aí que as redes blockchain criam a trama para a vida no metaverso. A tokenização de coisas reais, passando a existir também no meio virtual são possíveis e serão alojadas no novo ambiente, a partir de blockchain. Móveis, tênis, roupas, óculos, shows, museus, espaços que existem fisicamente podem ser digitalizados e utilizados como na vida física, mas agora dentro de um novo mundo. Assim, embora ainda não sabemos como será desenvolvida, a economia passará a existir em dois mundos, e é por isso que empresas como a Google, Microsoft, Samsung e a Sony se uniram ao Facebook em um consórcio de empresas de tecnologia que buscam modelar o futuro da “realidade experimental”.

Mercadorias, personagens, espaços....uma vida real dentro das telas. Mas como poderia ser real sem moeda de troca? Um novo mundo que precisaria ser regido por moedas também digitais. Por isso, as criptomoedas, também produtos da blockchain, são os agentes que farão a grande roda do metaverso nunca parar de rodar.

Ainda não sabemos se toda a ideia dará certo. Se os riscos tomados terão um grande retorno. No entanto, a valorização das blockchains, criptomoedas, NFT's e expansão de ambientes virtuais é algo em potencial crescimento, que inova e renova nossas vidas todos os dias. A matrix, dessa vez, não vem para nos escravizar, mas sim para baratear, facilitar e melhorar a qualidade de vida de nossa população, entregando o melhor do digital à serviço da sociedade. Vamos começar sua digitalização?

Confira outros posts

f
O que é blockchain?

Guia básico para explicar como a rede funciona.

Ler mais

blockchain

f
Segurança de dados em saúde

Nesse post, abordamos os principais pontos à serem observados quando o assunto é segurança de dados em saúde.

Ler mais

Segurança de Dados

f
Cartórios e blockchain: ajuda bem-vinda ou evolução dispensável?

Como as blockchains pretendem revolucionar o meio como registramos documentos!

Ler mais

Inovação