Published on

NFT's - A revolução digital

Authors
  • avatar
    Name
    João Henrique
t

Toda grande revolução tecnológica e científica na história da humanidade instiga uma parte dos indivíduos à inovação, ao mesmo tempo que cria grande descontentamento em pessoas que não enxergam vantagem em olhar para o horizonte. E sempre foi assim. Quando as primeiras xícaras de café chegaram na Itália no século 17, o café foi chamado de bebida de Satã. Ao chegar, três séculos depois, na Índia, a bebida foi carinhosamente apelidada de álcool dos jovens, por ingleses e outros europeus que não queriam enxergar outro costume que não fosse seu chá no fim da tarde.

E não é somente com as bebidas. Na criação do telefone, o aparelho chegou a ser chamado de instrumento do diabo, na mesma época em que muitas pessoas se recusavam a comer comidas refrigeradas devido a hipótese de que elas estariam embalsamadas. Tudo isso complementado pela grande briga contra o uso do micro-ondas, que no final dos anos 80 ganhou antipatia por possivelmente contaminar com radioatividade nossas lasanhas congeladas.

Embora toda essa resistência à inovação pareça algo antigo, distante, ou até mesmo infantil, ela continua presente sempre que entramos em contato com algo que inicialmente parece ser revolucionário. É assim que muitas pessoas criticaram mas não perceberam o grande valor contido na criação dos NFT's em uma rede blockchain. Apesar do valor artístico vendido pela mídia, o uso de NFT's não é somente para vender uma imagem .jpeg por milhões de dólares por um milionário estadunidense que muitos chamam de delírio coletivo, mas sim pelo potencial incrível de promover a união entre dois mundos: o virtual e o real interligados como um só. Mas como isso é possível?

NFTs é uma sigla que representa o conceito non-fungible tokens, que são um dos tipos de tokens que podem certificar a posse de bens digitais, como itens de arte ou colecionáveis. Mas o que significa algo ser non-fungible? Em um contexto econômico, fungibility significa a capacidade de um item ser indistinguível, ou seja, pode ser trocado sem perder seu valor. Um exemplo para algo fungible está nas notas de dinheiro: trocar 5 reais por outra nota de 5 reais é completamente possível e não acarreta perda de seu valor ou sentido, no entanto, um artigo colecionável ou uma obra de arte é algo único e que não poderia ser trocado dessa forma. Não podemos dar o mesmo valor para uma obra de Portinari e para a Monalisa, que embora ambos sejam valiosos, seus valores não serão equivalentes só pelo fato de serem os dois quadros de arte, por isso são algo "non-fungible".

Entretanto, a tokenização desse item não fungível permitida pela blockchain abre portas para muitas operações. Como os NFTs são armazenados dentro de uma blockchain, a posse desse token pelo proprietário está devidamente segura pela rede, além dela permitir que esse NFT seja único e indivisível, impedindo fraudes como cópias e sendo assim uma grande prova de que alguém realmente é proprietário da obra original. Ademais, as transferências e operações desse token estão garantidas e seguras pela rede, tornando tudo mais fluido e autêntico.

Todavia, você pode estar se questionando: se certo item já existe no mundo físico, e com um alto valor agregado, qual o motivo para criá-lo virtualmente?

Atualmente, as pessoas tem sido imergidas no mundo virtual em escalas nunca esperadas. Jogos de realidade aumentada tem sido difundidos a cada dia, criações virtuais de mundo aberto são cada vez mais exploradas pelas novas gerações. Diariamente, as pessoas têm deixado um pouco de si na realidade virtual, customizando seus personagens online, financiando itens raros ou roupas que decoram e tornam pessoal uma conta virtual, mesmo não existindo fisicamente. A tendência em tornar tudo virtual, para que esteja ao acesso de todos, é algo que tem aumentado na internet desde sua criação.

A fabricação de artefatos digitais podem ser vendidos como artigos usados no mundo real, no entanto, para ser desfrutado em uma escala cibernética. E muitas empresas já perceberam como é promissor o novo mercado virtual.

A marca RTFKT é um estudio de moda conhecido por produzir designs de tênis virtuais, memes e colecionáveis. Gamers agora podem comprar e utilizar suas peças de roupa e calçados dentro do jogo. O argentino Andrés Reisinger, designer, teve uma ideia parecida e iniciou a venda de móveis virtuais, para serem usados em qualquer espaço 3D ou plataforma online de mundo aberto. Por mais que pareça algo distante, a tendência ganhou destaque e sua última peça foi vendida por $70,000!

WhatsApp Image 2021-09-14 at 23.55.21.jpeg

No entanto, não é só no mundo virtual que as empresas tem apostado, mas sim na união entre ambas realidades. Recentemente, a Nike patenteou seu novo modelo de tênis: CryptoKicks. A partir de um NFT, o dono do tênis no mundo real também receberá uma réplica do seu item no mundo virtual, para transferir a novos donos, vender ou até mesmo utilizar em algum ambiente virtual! Imagine a possibilidade de vender sua marca de roupa, mas para ninguém usar fisicamente, mas sim os personagens de algum grande jogo online.

Ademais, o valor monetário dos NFT's são muito escalonáveis. Muitas pessoas não viajaram até a França para observar a Monalisa, mas com certeza viram sua imagem na internet ou em um livro. Assim como o dono do quadro, podemos ter também o dono da mídia digital. Assim, a arte passa a ter valor nos dois mundos, e o lucro que resulta do comércio em ambos os mundos é tão real quanto a obra física.

As formas de monetização de filmes, músicas, colecionáveis ou até mesmo recursos dentro de um jogo de videogame podem agora ser comercializados. Você pode se tornar dono de um longa-metragem, ou até mesmo de uma foto, sendo também detentor de toda monetização que sua circulação virtual envolve. E os NFT's vão ainda além, ao permitir que novas relações ocorram com a posse de terrenos, ações, imóveis ou qualquer outro "bem de valor" do mundo real. Afinal, esses bens não são algo único e pertencente à uma pessoa?

NFT's não são um delírio, mas sim uma porta para a abertura de um novo mercado, uma nova realidade, uma nova sociedade pronta para o consumo, sob o prisma de um mundo virtual. Podemos encarar a mudança como uma bebida vinda das trevas ou um ótimo companheiro para o dia de trabalho, como o café. De qual lado você prefere estar no futuro?

Confira outros posts

f
Por que as redes blockchain são seguras?

Muito se fala sobre a segurança da blockchain. Nesse texto abordamos os principais pontos.

Ler mais

blockchain

f
Rocket 2020 - Parte 3

Nesse artigo contamos como finalizamos nossa jornada no programa!

Ler mais

Inovação

f
Metaverso: o que uma rede social pode mudar em nossas vidas?

Nesse post abordamos um dos assuntos mais comentados de 2021: O metaverso!